julguem-me pelo que escrevo

julguem-me
pelo que escrevo
afinal sou mesmo
o que estão nessas linhas
e da poesia
não me envergonho

posso dizer que
quem me lê
me conhece mais fundo
do que quem me vê
todos os dias

quem me vê
diariamente
só me vê
já quem me lê
me enxerga
me sente

podem me amar
ou odiar
pelo que escrevo
vamos!
continuem!
me julguem sim
assumo toda responsabilidade
de ser eu

mas lembrem
que sou hoje.
sou o que escrevo
nesse instante

ontem
é passado distante
ontem já faz
tempo demais

se a vida
é contínuo desconstruir
de certezas
escrever
é eternizar mudanças
escrever é olhar
em perspectiva
é saber
quem já não somos
e não saber
quem seremos
nesse frágil espaço
chamado tempo

Débora Andrade
09.06.2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cartas para Bárbara: XVII

Cartas para Bárbara: IV

Maria