Cartas para Bárbara: VI

Bárbara, te escrevo freneticamente.
ouço música pensando em tu, em todas as horas livres do meu dia.
eu tenho vivido esse romance como se ele existisse mais do que em mim.
Bárbara, tu é o arrepio, tu é a volúpia, tu está cravada na minha pele, como tatuagem.
menina, tu é o próprio atentado ao pudor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

sobre a próxima dor

Cartas para Bárbara: XX

sobre apaixonar-se todos os dias