Maria

ela surgiu como a brisa
leve e tímida
que balança as cortinas
e nos faz olhar a janela
pra perceber
e receber o dia

ela é a luz do dia
que invade a casa
e desperta os sentidos
ela se intalou em mim
de modo que já nem sei
onde ela começa
e eu termino

ela chegou
com olhos diminutos
e um sorriso farto
como seu coração

já nem sei
o que é lugar comum
ela quebrou a rotina
os conceitos
e sem que eu notasse
me preencheu o peito
tomou um espaço
antes desconhecido

ela sequer sabe
e nisso está a beleza
da platonicidade
é tão distante
quanto infinito


Débora Andrade
24/05/2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cartas para Bárbara: XV

Cartas para Bárbara: XVII